Cultivo em Estufas Agrícolas

Saiba Para que Servem as Estufas Agrícolas

A vontade de agricultores em cultivar nos ambientes protegidos aconteceu a mais de um século. A necessidade de produzir mais em períodos climáticos desfavoráveis fez com que agricultores e pesquisadores procurassem meios de proteger as plantas dos danos causados pelas intempéries.

Estufa Agrícola

Foi então que surgiu a estufa agrícola, com a divulgação do sucesso obtido em plantios protegidos, as estufas, construídas com o auxílio do plástico difundiu-se rápido em todo o mundo. O aumento na produção obtido na agricultura moderna, nos últimos anos, é devido à utilização de estufas com o uso do plástico.

Essa combinação casou-se perfeitamente, pois a aplicação de diferentes filmes plásticos na agricultura proporcionou inúmeras vantagens em diferentes cultivos. Ao longo dos anos foram surgindo diferentes modelos de estufas e técnicas que favorecem regiões de climas completamente diferentes.

As técnicas foram constantemente melhoradas para atender particularidades de cada região do país, e hoje vemos resultados bastante significativos em plantios que proporcionam excelentes ganhos aos agricultores, com grandes plantações, colheitas nas entressafras e produto com melhor aspecto e qualidade.

Surgimento da Estufa Agrícola 

No ano de 1848 o então arquiteto Decimus Burton inaugurou em Londres o famoso Palm House, uma grande construção de vidro. Consta-se que três anos depois, outro arquiteto, joseph Paxton concluiu a construção do famoso Palácio de Cristal. 

Nos dias atuais as duas construções podem ser vistas e admiradas. Na época foram ambas construídas para atender a classe de pessoas mais ricas que produziam plantas exóticas naquele clima. Produziam principalmente laranjeiras, tanto é que essas construções eram conhecidas por “orangeries”.

O emprego das estufas para o cultivo de hortaliças, difundiu-se primeiramente na Holanda, e depois espalhou-se para outros países onde o clima não favorece o cultivo e desenvolvimento normal de plantas, principalmente as hortaliças.

Com o surgimento dos materiais plásticos, a estufa deixou de ser uma complexa obra de engenharia  e privilégio da classe mais favorecida, tornou-se ao alcance da maioria dos horticultores. Sua utilização foi aumentando conforme surgiam novas técnicas na construção e manejo. Novos plásticos surgiram para atender as necessidades das diferentes espécies de plantas.

Atualmente a produção de plantas hortícolas dentro de estufas é uma prática consagrada em todos os países de agricultura forte, e passou a ser produto de interesse nos países em desenvolvimento, como é o caso do Brasil.

Finalidade da Estufa Agrícola

Para que as plantas se desenvolvam melhor existem faixas ideais de temperaturas. Com o frio, a germinação das sementes são precárias e há um alto percentual de abortamento das flores, e o crescimento é lento e irregular.

As geadas podem acabar por completo com uma plantação. No entanto, quando a temperatura é alta, as plantas transpiram demais, ocasionando uma sensível diminuição no rendimento. Entretanto, com a baixa umidade relativa do ar, as plantas se desidratam com facilidade, havendo a necessidade de irrigações mais eficientes.

Quando a umidade relativa do ar for acima do limite exigido pelas plantas, o desenvolvimento fica igualmente prejudicado, e tornam-se mais susceptíveis às doenças. 

As intempéries são uma constante ameaça aos cultivos. O excesso de chuva pode provocar um desiquilíbrio nas culturas. O vento frio desacelera o crescimento, e quando forte pode provocar danos físicos às plantações. Poucos cultivos resistem à uma chuva de granizo, que pode acabar em poucos instantes com uma lavoura.

Em algumas regiões a forte insolação impede o desenvolvimento normal de uma grande parte dos cultivos. A estufa pode evitar todos estes danos. Tem por finalidade controlar o ambiente das plantas, no que se refere à temperatura e umidade relativa do ar, e protegê-las dos danos causados pelas intempéries.

Plantio em estufa agrícola
Plantio em estufa agrícola

Vantagens das Estufas Agrícolas nos cultivos

Quando a planta é protegida, torna-se mais resistente, produz mais, e os frutos são de melhor qualidade. A utilização correta de uma estufa proporciona inúmeras vantagens, tais como :

1 – Obtenção de colheitas fora de época

Uma grande parte do território brasileiro possui períodos favoráveis para o plantio de hortaliças, mas há épocas do ano que as condições climáticas não favorecem o seu desenvolvimento. Na região Amazônica por exemplo, a alta precipitação pluviométrica impede a produção hortícola durante quase todo o ano. No Cerrado chove muito durante 6 meses e o resto do ano permanece quase sem chuvas. Tanto no período de chuvas ou seca, as condições para produzir hortaliças são precárias. O inverno rigoroso da região sul permite que a maior parte dos cultivos seja desenvolvido apenas 4 meses do ano, geralmente setembro a dezembro, restando uma longo período de 8 meses de entressafra. na época de colheitas a oferta acima da demanda faz baixar o preço este volta a subir, logo que seguem os meses de escassez.  Com o emprego da estufa agrícola, é possível produzir durante todo o ano, independente das condições climáticas externas. Muitos agricultores que já utilizam esta técnica, plantam somente nos períodos de entressafra para obterem os melhores lucros na comercialização.

2 – Maior Qualidade dos Produtos

Agricultores que oferecem produtos com melhor aspecto, encontram facilidade de colocação e obtém preços mais compensadores. Como em tudo, a apresentação é fundamental para uma venda bem-sucedida. Um relação ao europeu, o brasileiro tem um baixo consumo de produtos hortigranjeiros, e isso é explicável por dois aspectos : a instabilidade de oferta e a má qualidade das hortaliças. Dentro de um ambiente protegido como a estufa, as condições de produção favorecem a obtenção de produtos sadios, com maturação uniforme, mais saborosos, e com excelente apresentação, qualidade estas que estimulam sensivelmente o consumo. 

3 – Precocidade das Colheitas

Os ganhos do produtor dependem da produtividade do cultivo, da qualidade dos produtos e da época de comercialização. Os lucros podem ser aumentados quando o agricultor consegue desenvolver um número maior de ciclos durante o ano. As condições de cultivo dentro de uma estufa permitem que as plantas tenham um desenvolvimento acelerado, com saliente diminuição do tempo do ciclo vegetativo. Isso possibilita, dependendo do tipo de cultura, obter 2 a 4 colheitas mais, na mesma área, em relação aos plantios comuns, aumentando consideravelmente a receita dos produtores.

4 – Melhor Controle de Doenças e Pragas

Quando a plantação é desenvolvida a céu aberto, os danos do clima interferem negativamente na produção, enfraquecendo as plantas e tornando-as susceptíveis às doenças. Muitas vezes os agricultores arcam com volumosos gastos para salvar a lavoura, diminuindo seus lucros, e correndo os riscos das inconveniências da utilização dos defensivos. As plantas cultivadas em estufas são mais vigorosas e resistentes às doenças, e são protegidas, a maior parte do tempo, dos ataques de insetos. Utilizando a estufa o agricultor economiza defensivos e mão-de-obra, protege a sua saúde, e diminui a possibilidade de oferecer produtos com resíduos tóxicos. Muitas das doenças das plantas podem ser combatidas ou evitadas, com um correto controle do ambiente.

5 – Economia de Insumos

Nos cultivos comuns uma grande parte dos adubos e corretivos são lavados pelas águas das chuvas, reduzindo a fertilidade da terra. A impermeabilidade do plástico evita que a chuva se precipite diretamente sobre os cultivos, impedindo assim a lixiviação dos insumos, proporcionando maior economia ao agricultor e melhor aproveitamento alimentar das plantas.

6 – Economia de Água

No ambiente da estufa, a transpiração é mínima, e o solo não se desidrata pela ação do vento e insolação direta. As regas são menos constantes em relação aos plantios convencionais. Isso é importante para as regiões onde a água é escassa, e nos casos onde o agricultor não dispõe de equipamento de recalque e condução. Muitas vezes a lavoura é localizada longe da água, fato que encarece a irrigação. dentro da estufa o produtor tem todas as condições de controle da umidade dos solo , sem a intervenção da chuva, que pode causar o desiquilíbrio hídrico.

7 – Preserva a Estrutura do Solo

A precipitação da chuva, seguida de uma insolação forte, provoca a compactação da terra, impedindo uma penetração regular de oxigênio e o alastramento correto das raízes. Além disso, o solo desprotegido fica propenso à erosão. Em ambiente protegido, a terra permanece bem estruturada, fofa, e não sofre consequências da erosão. O sistema radicular das plantas se desenvolve mais eficiente, recebe mais oxigênio, e as bactérias de defesa da planta se multiplicam facilmente. No cultivo seguinte haverá menos emprego de mão-de-obra na preparação da terra. 

8 – Plantio de Variedades Selecionadas

Nos países de agricultura mais evoluída, a pesquisa genética desenvolveu variedades de altos rendimentos, que exigem condições climáticas especiais, e seu desenvolvimento somente se viabiliza em estufas. No Brasil com o aumento da utilização de estufas certamente este setor de pesquisas está em crescimento e visa desenvolver variedades de diferentes espécies para diferentes regiões.

Clique Aqui e Veja Dicas Sobre Adubação

Clique Aqui e Veja Dicas Sobre Preparo da Terra

Clique Aqui e Veja Dicas Para Fazer Compostagem